Blog

Banco Central estuda estímulo ao empréstimo com garantia de imóveis

Banco Central estuda medidas para diminuir o prazo de concessão de empréstimo pessoal com garantia de imóvel no Brasil – conhecido como home equity – para fazer esse mercado deslanchar de vez no País. Dentre os temas em análise, apurou o Estadão/Broadcast, estão a adoção da modalidade guarda-chuva e a portabilidade.

Para o presidente do BC, Roberto Campos Neto, o produto tem potencial de liberar R$ 500 bilhões na economia brasileira. Atualmente, o estoque do chamado home equity no Sistema Financeiro Nacional (SFN) está em R$ 11,3 bilhões, após períodos de sucessivas quedas.

Enquanto em dezembro de 2017 o estoque de empréstimos na modalidade era de R$ 12,5 bilhões, em junho de 2018 foi de R$ 11 8 bilhões. E, no fim daquele mesmo ano, o valor caiu para R$ 11 5 bilhões.

No acumulado deste ano, até agosto, pessoas físicas tomaram emprestado R$ 1,533 bilhão na modalidade. Em 2018, o empréstimo foi de R$ 1,881 bilhão e, em 2017, de R$ 2,089 bilhões.

Ao entrar na mira do BC, o crédito com garantia imobiliária também passou a ser visto com outros olhos pelos grandes bancos. O Itaú Unibanco, que repaginou seu produto no fim do ano passado já começa a colher frutos da nova estratégia. Responsável por 23% do crédito nesse mercado no primeiro semestre do ano, o banco multiplicou por cinco a oferta mensal de recursos.

Segundo a diretora de crédito imobiliário da instituição, Cristiane Magalhães, a oferta, antes restrita ao cliente com renda superior a R$ 10 mil mensais, está sendo estendida para aquelas que ganham entre R$ 4 mil e R$ 10 mil por mês.

O Banco do Brasil quer ampliar sua carteira no segmento. “É um crédito mais qualificado e é possível praticar preços mais atrativos para o tomador”, afirmou a gerente executiva de empréstimos, financiamentos e crédito imobiliário do BB, Daniela de Avelar Gonçalves.

Segundo a executiva, o banco terá novidades em breve nessa linha de crédito, como a possibilidade de contratação 100% por canais digitais e a disponibilidade de empréstimos tanto para correntistas quanto para não correntistas.

Atualmente, o banco estatal oferece o BB Crédito Imóvel Próprio a seus clientes de renda mensal a partir de R$ 4 mil, que permite até 89 dias para o pagamento da primeira parcela, com taxa a partir de 1,38% ao mês. O valor mínimo para o empréstimo é de R$ 35 mil.

Para a gerente nacional de atendimento jurídico da Caixa, Bruna Groba, a regulamentação atual do home equity já é satisfatória e permite o desenvolvimento do mercado. Ela acrescentou que a expansão da carteira no banco depende apenas da estratégia de negócios.

REDUÇÃO NA TAXA DE JUROS – CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

Caixa reduz juros de crédito imobiliário para 7,5% ao ano, mais a TR.

A Caixa Econômica Federal anunciou hoje a redução dos juros para financiamentos imobiliários com recursos do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo). A taxa mínima passou de 8,5% ao ano mais a TR (Taxa Referencial) para 7,5%, mais a TR (que atualmente está zerada). A taxa máxima será de 9,5% mais a TR. As simulações podem ser feitas no site da Caixa. O anúncio do banco público é uma reação à decisão dos dois maiores bancos privados do país, que reduziram os juros do financiamento imobiliário.

A redução nos juros da Caixa ocorre tanto nas linhas do SFH (Sistema Financeiro de Habitação), para imóveis de até R$ 1,5 milhão e que permite o uso do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), quanto no SFI (Sistema Financeiro Imobiliário), para aqueles acima desse valor e sem a possibilidade de uso do fundo.

Jantar de Casa Nova

Dicas de como receber seus convidados no seu mais novo lar

Definir o número de convidados é o primeiro passo. A partir daí, a missão é fazer a lista, começando pelo elenco fixo: aqueles amigos e familiares que estão sempre por perto. “De acordo com o perfil dos convidados, escolha o tipo de serviço. O americano (as pessoas se servem) é mais prático para encontros informais. Deixar a mesa arrumada é uma das dicas de jantar fundamental. Lugares para todos sentados vai depender de como será a recepção, formal ou informal. Por isso o check list é importante. Se a mesa não comporta a quantidade de convidados, melhor pensar num serviço à americana, em que a mesa é utilizada para servir e os convidados ficam à vontade no ambiente.

Na escolha do menu é sempre aconselhável ter opções vegetarianas e leves e procurar saber se algum convidado tem restrição alimentar, o que é cada dia mais comum. No bar, não é preciso oferecer tudo, mas é interessante ter dois tipos de bebidas. Se for servir vinho, fique atento à quantidade por convidado, e sempre tenha água, gelo e opções sem álcool.

Não é preciso fazer uma excursão pela casa toda antes ou depois do jantar para mostrar cada detalhe. Deixe as pessoas bem à vontade para se manifestarem e as conduza de acordo com o seu nível de intimidade e com o desejo delas.

Organizar um jantar não é uma tarefa fácil, mas seguindo essas dicas, temos a certeza que o momento será especial tanto para você, quanto para seus amigos.

CASA COR 2019

Minas Gerais tem tudo a ver com hospitalidade, arte, natureza, boa mesa e um sotaque irresistível. A estas tradições, soma-se um patrimônio histórico, arquitetônico e paisagístico dos mais relevantes. Estes e outros atrativos estão presentes de corpo e alma nos 59 espaços da CASACOR Minas Gerais, que celebra sua 25ª edição em grande estilo. No total, 94 profissionais de arquitetura, interiores e paisagismo participam.

Em 2019, a sede escolhida é o célebre Palácio das Mangabeiras, inaugurado em 1955 para ser residência oficial dos governadores de Minas Gerais. Seu projeto inicial é de autoria do arquiteto Oscar Niemeyer, com jardins planejados pelo paisagista Roberto Burle Marx. O conjunto tombado fica aos pés da Serra do Curral, que protagoniza a paisagem que abraça os ambientes. A proposta de resgatar um edifício antigo e histórico não é nova para o trio que está, hoje, a frente da CASACOR Minas Gerais, criada em 1995 por João Grillo e Ernesto Lolato.

A edição da Casa Cor Belo Horizonte estará disponível até o dia 13/10/2019.

De terça a sexta-feira, das 15h às 22h

Sábados, das 12h às 22h

Domingos e feriados, das 12h às 19h

REDUÇÃO NO JUROS SOBRE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

O Bradesco anunciou nesta segunda-feira (30) uma redução na taxa de juros da sua linha de crédito imobiliário. A partir de 1º de outubro, a taxa mínima será de 7,30% ao ano + TR. Atualmente, as taxas começavam em 8,2% ao ano + TR.
As novas condições passam a vigorar a partir desta terça-feira, 1º de outubro, em toda a rede de agências do banco.
Na sexta-feira, o Itaú também anunciou que irá reduziu as taxas mínimas dos juros do financiamento imobiliário: de 8,1% ao ano + TR para a 7,45% ao ano + TR.
O movimento dos bancos segue a redução mais recente da taxa básica de juros pelo Banco Central. O último corte de juros do financiamento imobiliário havia sido feito pelo banco no dia 18 de setembro, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu de 6% para 5,5% a Selic e ainda sinalizou espaço para novos cortes ao longo do ano.
Segundo o Bradesco, as novas taxas podem ser contratadas para financiamentos com prazo de até 360 meses. “O cliente pode financiar até 80% do valor do imóvel e o comprometimento máximo da renda líquida sobre o valor das prestações é de 30%”, informou o banco.

Segundo dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), até o mês de agosto deste ano, entre aquisição e construção, o Bradesco desembolsou R$ 11,6 bilhões, atrás apenas da Caixa, que desembolsou no período R$ 14,5 bilhões.
Em agosto, o financiamento imobiliário com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) atingiu R$ 6,71 bilhões em agosto, um aumento de 18,4% em relação ao mesmo mês de 2018. Foi também o maior resultado para um mês este ano.